O Milagre da Graça Transformadora

 

“Maravilhosa Graça! Maior que o meu pecar!” Que pensamento maravilhoso! E essa é apenas a primeira linha do hino.

 

Em Jesus, Deus encarnou-se e agiu de forma decisiva para reconciliar o mundo consigo mesmo (João 3:15-16; Romanos 1:1-16). Enquanto éramos ainda pecadores, Deus ofereceu seu próprio Filho “como sacrifício para propiciação” do pecado (Romanos 3:25). O Senhor de toda a criação levou sobre si o pecado do mundo e providenciou salvação para todos nós!

 

Em Cristo Jesus, a justiça de Deus – a Sua salvação – foi manifestada (Romanos 3:21). Se não fosse por essa ação, toda a humanidade estaria irremediavelmente alienada de Deus (Efésios 1:5-2: 10). Desta forma, todos os poderes que nos separavam de Deus foram derrotados (Colossenses 2:15). Agora, “mediante a fé em Jesus Cristo” (Romanos 3:22), somos livres (Romanos 8:2)!

 

O Novo Testamento constitui um hino contínuo de louvor ao Deus que derrama suas riquezas sobre nós (Efésios 1:6-10). Em Cristo, toda a plenitude de Deus habitou corporalmente, e aqueles que recebem a Cristo terão plenitude nEle (Colossenses 2:8-15). Depois de examinar os benefícios da graça de Deus, Paulo exclamou: “Ó profundidade da riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus!” (Romanos 11:33). Algumas dessas riquezas podem ser identifi cadas: o perdão dos pecados, o Espírito habitando em nós, a formação à imagem de Cristo, a vida eterna, a paz com Deus, a santifi cação, a comunhão da Igreja e a esperança da volta do Senhor.

 

Quando Jesus falava, o que muitas pessoas ouviram eram de fato “boas notícias”, ou seja, que Deus reconcilia livremente os pecadores consigo mesmo. Mesmo um odiado cobrador de impostos ou uma mulher apanhada em adultério, ao ouvir do amor de Deus, podem arrepender-se, serem perdoados e receberem a vida eterna. Deus dá-se livremente para aqueles que reconhecem a sua própria incapacidade de fazer qualquer coisa que possa merecer Seu favor (Lucas 15).

 

Muito antes de nos tornarmos conscientes disso, o Espírito Santo está trabalhando, tentando nos atrair para a salvação. O salmista diz que não há lugar onde a voz de Deus não é ouvida (Salmo 19:3). Paulo nos diz que, a cada momento, toda a criação depende de Cristo para a sua existência (Colossenses 1:15-17).

 

João declara que Cristo ilumina a todos (João 1: 9).

 

Em caminhos igualados apenas à criatividade e fidelidade de Deus, o Espírito Santo trabalha nas histórias individuais e sociais abrindo caminho para o Evangelho. Ele vai antes do anúncio explícito do Evangelho e prepara as pessoas para ouvir – e esperançosamente receber – as Boas Novas.

 

Em retrospecto, todos os cristãos podem traçar o caminho pelo qual o Espírito os trouxe à redenção cristã. Referimo-nos a esta dimensão preparatória da graça de Deus como “graça proveniente”, ou a graça que precede a ação humana.

 

Deus é por nós. Tudo o que Deus realizou através de Seu Filho, Ele agora oferece a nós por meio do Espírito Santo. De fato, toda a criação se beneficia da salvação que o Pai realizou em Seu Filho (Romanos 8:19-25).

 

Justificação é o nome que damos ao ato gracioso pelo qual Deus efetivamente perdoa e reconcilia os pecadores consigo mesmo. Justificação – ser restaurado ao favor de Deus – é pela graça por meio da fé somente.

 

A justificação é apenas uma dimensão da obra salvadora de Deus. O segundo benefício é que o Espírito de Deus reside efetivamente no pecador arrependido para estabelecer a vida de Deus. Ele ou ela nasce de novo – regenerado – pelo Espírito de Deus. O Novo Testamento chama esta nova percepção da vida espiritual de uma nova criação, um novo nascimento, o nascimento de cima, a vida eterna, a entrada no Reino de Deus, andando em novidade de vida e vida no Espírito.

 

Seja qual for a linguagem, através do milagre da graça divina, o Espírito Santo passa a residir no cristão e efeitua uma transformação. Onde antes havia morte, agora há vida; paz com Deus onde antes havia guerra; esperança onde antes havia desespero. O Novo Testamento anuncia: “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! Tudo isso provém de Deus” (2 Coríntios 5:17-18a).

 

O Novo Testamento fala dos cristãos como estando “em Cristo” e de Cristo como estando neles. Por um lado, os cristãos estão agora reconciliados com Deus porque pela fé eles estão “em Cristo” (Romanos 8:1), naquele que reconcilia com o Pai os pecadores arrependidos.

 

Entretanto o Novo Testamento também fala de Cristo em nós como “a esperança da glória” (Colossenses 1:27). Através do Espírito Santo, o Cristo ressuscitado concede a Sua vida – Ele próprio – ao Seu povo. Ele habita e cultiva neles o fruto do Espírito (Gálatas 5:22-23).

 

“Mas”, muitos perguntam, “realisticamente, que tipo de vida espiritual posso esperar como um cristão? Será que a força de velhos hábitos pecaminosos continuará a estabelecer o padrão para a minha vida? Ou será que o Espírito de Deus dentro de mim agora oferecerá uma vida melhor?” O Novo Testamento responde: “Aquele que está em vocês é maior do que aquele que está no mundo” (1 João 4:4).

 

O mesmo poder que ressuscitou Jesus Cristo dos mortos – fazendo-o vitorioso sobre a morte, o inferno, o pecado e a sepultura – agora opera em nós pelo Espírito Santo (Efésios 1:19)! Antes a antiga lei do pecado e da morte governava. Mas agora “por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte” (Romanos 8:2).

 

A gloriosa norma para todos os cristãos é que eles sejam cheios do Espírito Santo, que não vivam segundo a carne, mas segundo o Espírito (Romanos 8:1-8). Você já experimentou pessoalmente o milagre da graça transformadora de Deus?

 

The Miracle of Transforming Grace [O Milagre da Graça Transformadora]. Ensaio retirado de The Reflecting God Study Bible® 2000. Direitos Autorais da Bíblia por The Zondervan Corporation e do Ensaio por Beacon Hill Press of Kansas City. Usado com permissão da Editora. Todos os direitos reservados.

 

Material adaptado de  Fundamentos Nazarenos – O que somos. O que cremos.

PATROCINA DO PELA JUNTA DE SUPERINTENDENTES GERAIS  –  IGREJA DO NAZARENO

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados. Church of the Nazarene, Inc.

ISBN 978-1-56344-041-0